Universidade Católica de Petrópolis

QUIZ

Ansiedade
e Depressão em Idosos

Resultado

#1. Depressão é o mesmo que tristeza.

Bota fake nisso! Sentir-se triste é normal, mas quando o sentimento de tristeza se torna constante ou há um grande desânimo para fazer coisas que eram prazerosas antes pode ser sinal de depressão. Lembrando que a depressão é uma doença e pode ser diagnosticada e tratada por um médico.

#2. Há vários tipos de depressão.

Alguns deles são:

  • Transtorno Depressivo Maior – é o mais comum entre eles e é aquele caracterizado pelo sentimento de profundo desânimo;
  • Depressão Bipolar – é aquela à qual o paciente têm graves quadros de depressão porém também possuem episódios de energia alta e muita atividade;
  • Depressão Crônica – é caracterizada pelo longo tempo de duração do episódio depressivo que pode durar em torno de 2 anos;
  • Transtorno Afetivo Sazonal – é comum nas estações onde os dias são mais curtos como inverno e outono e está relacionada com a alteração da rotina corporal como a mudança de horário em que se entra em contato com a luz.

#3. Os sintomas depressivos são iguais tanto em Idosos quanto em jovens.

A idade da pessoa deve ser levada em conta durante o diagnóstico, já que nesses diferentes grupos a doença pode se apresentar de maneiras diferentes que em outros.

#4. Essa doença pode ter várias causas.

A depressão pode ser causada por patologias ou condições físicas pré-existente como câncer, baixa autoestima, ou bebidas alcoólicas.

 

#5. Nem todas as pessoas têm ansiedade.

TODOS temos ansiedade, apenas em escalas diferentes. O que difere a ansiedade comum, como o frio na barriga, do ataque de pânico é a intensidade e frequência com que ela aparece.

#6. A ansiedade atrapalha o sono à noite. Por exemplo, na quantidade de horas dormidas e em sua qualidade.

Ela faz a mente trabalhar a todo momento havendo a liberação de hormônios, que dificultam a dormir, gerando por exemplo: palpitação e respiração ofegante.

#7. A ansiedade atinge o corpo diretamente, podendo causar dores musculares.

A ansiedade mantém o corpo estressado, causando tensão muscular, e por ficar tenso leva à dor no abdômen, peito e pescoço.

#8. É comum que uma pessoa com ansiedade tenha medo do convívio social.

Alguém com ansiedade pode ver tudo como perigoso, além de já ter problemas emocionais causados pela ansiedade dificultando a interação com outras pessoas.

#9. Qualidade vida é definida como a satisfação do indivíduo no que diz respeito à sua vida do dia a dia.

Qualidade de vida é dita como a percepção do indivíduo sobre sua saúde mental e física, o ambiente ao seu redor e relações sociais. Logo o modo que você conduz sua saúde, relações e ambiente afetam sua vida.

#10. A depressão e a ansiedade podem diminuir sua qualidade de vida.

Problemas de saúde mental e psicológica afetam negativamente condições para uma boa qualidade de vida, como a integridade física e interação social.

#11. Ter disciplina ajuda a ter comportamentos saudáveis.

O autocontrole e a disciplina na realização de bons hábitos geram um menor esforço e melhores resultados. Ou seja, indivíduos com melhor autocontrole tem uma melhor qualidade de vida.

#12. Exercitar a mente é importante para melhora da qualidade de vida.

Estimular sua mente com leituras, jogos de memória e estratégias, como: Xadrez ou Dama; ajudam a evitar perda de memória, ao raciocino rápido e melhora a sua saúde mental como um todo.

#13. O lazer, como: assistir a um filme, tricotar, pintar e ter uma atividade física são necessários para uma boa qualidade de vida.

Ter um lazer gera estímulos e oportunidades de adquirir novas informações e habilidades, podendo ser utilizadas para melhorar seu cotidiano e gerar bem-estar.

#14. Os exercícios físicos reduzem sintomas de depressão e ansiedade em idosos.

Com a prática de exercícios, o idoso tende a apresentar uma melhora tanto física, quanto mental, reduzindo assim alguns sintomas que podem levar a depressão e a ansiedade.

#15. Exercícios como caminhadas dentro de casa já são o suficiente para trazer benefícios a saúde.

Apesar de parecer muito simples esses exercícios já ajudam a melhorar a circulação sanguínea e melhorar a disposição para outras atividades do dia.

#16. A constância nos exercícios físicos não é necessária.

A constância na prática dos exercícios é de grande importância, com ela chegamos a resultados importantes como, por exemplo, a disposição de ter uma vida ativa e saudável. A OMS recomenda que idosos façam no mínimo 30 minutos de exercício 5x na semana, de forma a alterar a respiração.

#17. Exercícios físicos só podem ser feitos em academias.

Com a ajuda de um profissional da área, exercícios podem facilmente ser adaptados para serem realizados dentro de casa, como uma caminhada dentro de casa ou um levantamento de peso com caixas de leite, o que ajuda muito em situações onde não se pode sair de casa.

Finalizar